Fenômenos Naturais

› 28 de abril de 2011

Entrou areia

(Atenção: este blog foi aposentado. No lugar dele, surgiu o Gabriel Quer Viajar. Vá lá. É muito mais bonito e tal.)

Tenho uma certa tara por ver (e, se possível, sentir na pele) quase todos os fenômenos naturais que conheço.

Por mais que alguns deles possam ser incômodos, eu normalmente tenho vontade de saber como são ao vivo.

Entre tantas bizarrices que a natureza produz, uma que me chama muito a atenção é a tempestade de areia.

Stephan Geyer - (CC BY-NC-ND 2.0)

Cientifica-toscamente falando, estas tempestades acontecem quando existe uma mistura de areia, baixa umidade e ventos. Por isso, óbvio, elas são mais freqüentes nos desertos ou próximo deles.

Photo: NASA

Se você também tem vontade de ver algo assim ao vivo, reserve suas passagens para a primavera nos países do Oriente Médio, norte da África (acima ou na região do Sahel) e norte da China, tipo:

Afeganistão

Arábia Saudita

Argélia

Barein

Burkina-Fasso

Catar

Chade

China (a foto abaixo é de Pequim)

michaeluyttersp - Flickr (CC BY-NC-SA 2.0)

Egito

Emirados Árabes

Irã

Iraque (essa belezinha aqui embaixo)

Robert Couse-Baker (CC BY 2.0)

Israel

Kuait

Ra'ed Qutena - (CC BY-NC-SA 2.0)

Líbano

Líbia

Máli

Amol Koldhekar - (CC BY-NC-ND 2.0)

Mauritânia (onde acontecem mais ou menos 80 tempestades por ano)

Mongólia

Omã

Sudão

Síria

Uzbequistão

Mas não descarte nenhum canto do mundo, já que outros lugares também sofrem (EUA e Austrália, por exemplo) e a poeira das tempestades pode ser levada para bem longe, pegando você com as calças na mão.

Veja essa animação aqui embaixo para ter uma ideia de como a sujeira se espalha.

Para finalizar, fique ligado e protegido. As tempestades (que carregam muito mais poeira do que areia) podem causar problemas bem sérios nos olhos e nos pulmões. Sem falar que acabam com qualquer equipamento eletrônico que estiver dando sopa.

Mesmo assim, devem ser emocionantes.

UPDATE ÀS 14h: Olha que linda a foto de uma tempestade, enviada pelo Thomas Erh, da Shots 360º.

Photo: Thomas Erh - Shots 360º - http://shots360.com.br

Foi tirada no Monument Valley, no Arizona (EUA). Segundos depois do clic, o fotógrafo e o equipamento estavam cobertos de areia - que segue até hoje nas graxas do tripé.

Grande souvenir.

- Gabriel Prehn Britto
6 comentários
› 12 de julho de 2010

Atrás dos próximos eclipses

(Atenção: este blog foi aposentado. No lugar dele, surgiu o Gabriel Quer Viajar. Vá lá. É muito mais bonito e tal.)

A Espanha campeã mundial não foi o único fenômeno natural deste domingo, 11 de julho. Enquanto a maior parte do planeta via holandeses e espanhóis perdendo uma penca de gols feitos, alguns olhavam para o céu atrás do único eclipse solar total de 2010.

O Ricardo Freire era um destes sortudos que estavam no trajeto do eclipse, mais precisamente na Ilha de Páscoa (não deixe de ler o relato dele).

Foto: Boston Big Picture

Pois me empolguei tanto com o post que fui atrás de um calendário de eclipses. Encontrei um da Nasa, com a lista de datas dos fenômenos até o ano 2050 (e depois a Tati Akamine deu a morta do Eclipse Chasers, muito mais fácil, didático e cheio de dicas de fotografia).

Foto: Pedro Ré

Para facilitar a sua vida de viajante e amante destas loucuradas que a natureza nos proporciona, aqui está a lista dos eclipses totais, anulares e híbridos nos próximos 10 anos. Escolha um e comece a se programar. Se o mundo não acabar em 2012, você tem tempo.

20 de maio de 2012 - Anular: China, Japão, Pacífico e oeste dos EUA

13 de novembro de 2012 - Total: Austrália e sul do Pacífico

10 de maio de 2013 - Anular: Austrália Ilhas Salomão e centro do Pacífico

03 de novembro de 2013 - Híbrido, com total no Atlântico e no centro da África

29 de abril de 2014 - Anular: Antártida

20 de março de 2015 - Total: Atlântico Norte, Ilhas Faroe e Svalbard

09 de março de 2016 - Total: Sumatra, Bornéu, Sulawesi e Pacífico

01 de setembro de 2016 - Anular: Atlântico, centro da África e Madagascar

26 de fevereiro de 2017 - Anular: Pacífico, Chile, Argentina, Atlântico e sul da África

21 de agosto de 2017 - Total: norte do Pacífico, EUA e Atlântico

02 de julho de 2019 - Total: sul do Pacífico, Chile e Argentina

26 de dezembro de 2019 - Anular: Arábia Saudita, Índia, Sumatra e Bornéu

21 de junho de 2020 - Anular: centro da África sul da Ásia, China e Pacífico

14 de dezembro de 2020 - Total: sul do Pacífico, Chile, Argentina e sul do Atlântico

Eclipse para adolescentes

- Gabriel Prehn Britto
1 comentários
› 18 de abril de 2010

As 10 melhores fotos do Eyjafjallajökull

(Atenção: este blog foi aposentado. No lugar dele, surgiu o Gabriel Quer Viajar. Vá lá. É muito mais bonito e tal.)

Segundo a minha opinião e de acordo com a minha pesquisa, estas são as fotos mais bonitas do fenômeno natural mais bonito que me lembro nos últimos anos.

Créditos embaixo de cada uma.

Ulrich Latzenhofer / CC BY-SA

Foto: Ulrich Latzenhofer / CC BY-SA

AFP/Getty Images

Foto: AFP/Getty Images

AP Photo/Icelandic Coastguard

AP Photo/Icelandic Coastguard

ARCTIC IMAGES / CORBIS

Foto: Artic Images / Corbis

baldvinh - Flickr

Foto: baldvinh - Flickr

HALLDOR KOLBEINS/AFP/Getty Images

Foto: Halldor Kolbeins /AFP/Getty Images - Tirada entre a primeira e a segunda erupção (mais forte)

Marco Fulle

A mais linda de todas. Foto: Marco Fulle

RAGNAR AXELSSON/AFP/Getty Images)

Foto: Ragnar Axelsson/AFP/Getty Images

REUTERS/Olafur Eggertsson

Tirada com uma máquina amadora. Foto: Reuters/Olafur Eggertsson

Vida na Islândia

Não sei o nome do autor, peguei lá no Vida na Islândia. Estas são as crateras do vulcão, embaixo de todo o gelo e fumaça. Creepy.

UPDATE em 19/04: Esqueça. As melhores, como sempre, estão no Big Picture.

- Gabriel Prehn Britto
4 comentários
› 1 de março de 2010

As lições dos Griswolds*

(Atenção: este blog foi aposentado. No lugar dele, surgiu o Gabriel Quer Viajar. Vá lá. É muito mais bonito e tal.)

Em meio a tantos terremotos, maremotos (a.k.a. tsunami) e coisa e tal, pesquei rapidamente algumas dicas para os viajantes que são surpreendidos por alguma catástrofe natural no meio das férias.

Férias Frustradas, um clássico

Em palavras do Ministério das Relações Exteriores:

“Em situações inesperadas, como desastres, catástrofes naturais, atentados, conflitos armados e revoluções, é de grande importância que o nacional entre em contato o mais cedo possível com autoridades consulares brasileiras a fim de solicitar orientação. É importante lembrar, entretanto, que nem os Consulados nem as Embaixadas do Brasil poderão alojar em seu interior cidadãos brasileiros.”

Em palavras compiladas pela internet, para antes de viajar:

“Faça uma pesquisa aprofundada sobre o país para o qual está indo - descubra alertas de viagem, problemas de segurança, acesso à Internet, informação sobre moeda e câmbio e leis e costumes locais.

“Deixe uma cópia do seu plano de viagem com algum familiar. Isso pode ajudar pessoas a encontrá-lo na ocorrência de uma emergência ou crise durante sua viagem.”

“Faça um seguro viagem internacional, para o caso de necessitar de cuidados médicos lá fora.”

Em palavras minhas:

-Não tente se virar sozinho nem tente bancar o machão. Você é forasteiro e não conhece lhufas por ali. Siga as instruções do hotel e/ou das autoridades.

- De qualquer maneira, pense que, se você sair vivo, aquilo vai ser uma experiência única. Viajar é bom até quando dá errado.

*NOTA: Não sabe quem são os Griswolds? Clique aqui e lembre.

- Gabriel Prehn Britto
1 comentários
› 15 de janeiro de 2010

Um outro mundo é possível

(Atenção: este blog foi aposentado. No lugar dele, surgiu o Gabriel Quer Viajar. Vá lá. É muito mais bonito e tal.)

O blog Mundo Gump fez uma bela seleção para viajantes. São 10 lugares que parecem de outro planeta. Dá uma olhada em algumas fotos sensacionais do post.

Floresta de Pedra de Madagascar

Sangue de Dragão, na ilha de Socotra, Iêmen

Vale da Lua, na Chapada dos Veadeiros, Brasil

Lagos Plitvice, na Croácia

Para ver mais fotos e saber mais sobre estes lugares estranhos/maravilhosos, vá lá e leia os textos.

- Gabriel Prehn Britto
0 comentários
› 28 de julho de 2009

Entre os Mongóis - 5

(Atenção: este blog foi aposentado. No lugar dele, surgiu o Gabriel Quer Viajar. Vá lá. É muito mais bonito e tal.)

Egon manda mais notícias da Mongólia. Desta vez, o relato é sobre o deserto de Gobi (que, acabei de descobrir, significa… “deserto”, em mongol).

Foto roubada do Flickr.

Foto: Telepatica (Flickr)

EGON NO DESERTO DE GOBI

Tomando o rumo sul na Mongolia, nos valentes jipes russos, a estepe gramada cede lugar a um deserto pedregoso, com vegetacao rala e escassa. Os Gers (yurts em russo, tendas de feltro que sao as casas dos nomades) tambem se tornavam escassos e os cavalos/ovelhas vao sendo substituidos por cabras/camelos. Seguindo deserto adentro, ateh estes sinais de ocupacao humana passam a ser raros.

Ao longo dos dias, a expedicao avancava (e eu cozinhava nos 42 C dentro do jipe). Na maior parte do tempo, a “planicie plana” nos cercava de fantasminhas da terra assando e miragens de lagos inexistentes. Ossadas no caminho nos davam o alerta: o proximo pode ser voce… Estrada? Que nada, era dirigir no meio do vazio, sem bussola ou GPS - sei lah como os motoras se orientavam.

O Deserto de Gobi, junto aa divisa com a China, cobre 1/3 do territorio da Mongolia e os locais me disseram que foi formado pelo tanto cavalgar e pisotear das tropas de Gengis Khan nas suas conquistas… (cientistas afirmam, porem, que a bacia do Gobi foi um grande lago interior hah milhoes de anos). Aqui as temperaturas variam de 50 C no verao para -40 C no inverno (sim, muuuuuuito frio).

Em um final de tarde, quando terminavamos de montar as barracas, um paredao de poh e areia laranjas e nuvens cinzas vinham rapido em nossa direcao. Assim que terminei a minha, soh deu tempo de jogar as mochilas lah dentro e entrar. Segundos depois a tempestade de areia nos atingiu e soh escutei os gritos do meu vizinho, entre as trovoadas e o zunido do vento. Espiei pelo fecho e a cena era hilaria: a barraca dele, com mochilas e tudo, estava rolando deserto afora e o ingles corria desesperado atras da mesma… hehehe. Enquanto isso, coloquei todo o meu peso do lado do vento para evitar que eu seja o proximo!!

Bayartai (ateh logo, em mongol),

Egon

PS.: Nao, nao saih voando nao… Mas a noite foi meio tenebrosa, pois relampejava sem parar - tive a sensacao de que as trovoadas e os raios passavam a poucos metros da barraca… Chuva? Acho que soh 3 gotas cairam na barraca, afinal este eh o famoso Deserto de Gobi.

- Gabriel Prehn Britto
0 comentários